Resumo

Objectivos

Com o aumento da prevalência da litíase urinária e com o incremento das tecnologias e técnicas minimamente invasivas nas áreas cirúrgicas seria esperado um aumento do número total de publicações acerca desta patologia. O presente estudo pretendia avaliar se haveria uma tendência evidente para o aumento nas publicações relacionadas com litíase nos jornais urológicos.

Foi efectuada uma análise bibliométrica dos artigos relacionados com litíase em cinco jornais prestigiados dedicados à Urologia.

Material e métodos

Foi efectuada uma pesquisa electrónica utilizando a ferramenta Pubmed e foram consultados todos os volumes das seguintes revistas – British Jornal of Urology International® (BJU Int), European Urology® (Eur Urol), Journal of Endourology® (J Endourol), Journal of Urology® (J Urol) e Urology® (Urology) – nos anos de 2001 a 2010. Todos os artigos relacionados com litíase renal e ureteral foram identificados, registados em base de dados e analisados.

Resultados

Nos jornais e período analisados foi publicado um total de 30 847 artigos. O J Urol foi o jornal com o maior número de artigos publicados por ano, com uma média de 1146 artigos por ano. O J Endourol foi a publicação com o menor número de artigos publicados (média de 231 artigos por ano).

Durante o período analisado houve um total de 1425 artigos relacionados com litíase em todos os jornais. O J Endourol foi o jornal com o maior número de artigos de litíase durante esta década, com um número total de 545 artigos. A proporção de publicações relacionadas com urolitíase e totais para cada ano foi analisada. O J Endourol foi a publicação com a maior proporção. Eur Urol foi o jornal com menor número de publicações, com proporções variáveis entre 0 (no ano de 2010) e 5,3% (no ano de 2003), com uma diminuição nos últimos anos da década, todos os outros jornais tiveram uma proporção estável de publicações.

Conclusões

A urolitíase, como grande tema na prática urologista, deveria representar uma fonte importante de estudos originais nos jornais mais activos na área da Urologia. No entanto, o estudo actual demonstrou que durante a última década o número de publicações acerca desta temática manteve‐se relativamente estável.

Abstract

Objectives

As the prevalence of urolithiasis is growing and there has been an increase in technologies and minimally invasive techniques in all areas of surgery, it would be expected that the total number of publications about this disease should increase. We hypothesized if there is also an evident trend towards the increase of urolithiasis related publications in urology journals.

We evaluated the publications in five prestigious urology journals over the last decade, in order to perform a bibliometric analysis of every article published related to urinary lithiasis.

Material and methods

An electronic search was performed using PubMed and all issues of British Journal of Urology International® (BJU Int); European Urology® (Eur Urol); Journal of Endourology® (J Endourol); Journal of Urology® (J Urol) and Urology® (Urology) were consulted from 2001 to 2010. All articles related to renal and ureteral lithiasis were collected, recorded and analyzed.

Results

A total of 30,847 articles were published in these five prestigious journals. The J Urol was the journal with the most number of articles published per year with an average of 1146 papers. J Endourol was the publication with less publicated articles in this decade, with an average of 231 papers per year.

There was a total of 1425 urolithiasis related papers in all journals. The J Endourol was the journal with the greatest number of urolithiasis related articles published in the period of analysis, with a total of 545 articles. The ratio of urolithiasis related articles and the total articles published per year in each journal was analyzed. The J Endourol was the publication with the greatest ratio. Eur Urol was the journal with less publications in urolithiasis, with ratios ranging from 0 in the year of 2010 and 5.3% in the year of 2003, with a decrease in the last years. All the other journals maintained a stable ratio of publications.

Conclusions

Urolithiasis as a great subject to urologists practice would be expected to be an important source of original research studies in the more active urology journals. However, our study showed that, during the last decade, there was a steady number of urolithiasis related articles published in several journals.

Palavras‐chave

Litíase urinária ; Bibliometria ; Tratamento minimamente invasivo

Keywords

Stone disease ; Bibliometric analysis ; Minimally invasive treatment

Introdução

A prevalência da litíase urinária no mundo tem vindo a aumentar1 ; 2  ;  3 . Na prática clínica os Urologistas têm de ser capazes de reconhecer, diagnosticar e tratar os doentes com urolítiase, além de terem um papel importante na prevenção desta patologia que é bastante comum4  ;  5 .

A decisão acerca do possível tratamento ou seguimento deste tipo de doentes, deve ser sempre baseada na melhor evidência existente, na experiência do clínico e na escolha do paciente6 ; 7  ;  8 . Nos últimos anos tem ainda havido um incremento importante no uso de tecnologias e técnicas minimamente invasivas em todas as áreas cirúrgicas, na Urologia e no campo da litíase9  ;  10 .

Actualmente assistimos a um elevado volume de artigos científicos publicados diariamente nos jornais médicos11 , o que poderá representar um grande volume de informação científica, mas poderá também ser uma fonte de má informação12 . É essencial para os urologistas saber onde e como encontrar a informação importante em todos os jornais médicos.

Na comunidade científica atual, todos os jornais exibem preocupações em apresentar um alto factor de impacto (impact factor – IF), no entanto o IF é um indicador de citações e não representa directamente a qualidade dos trabalhos publicados ou a índice de produtividade de determinados autores 13 . Por esta razão, as análises bibliométricas são extremamente importantes para a comunidade científica. Este tipo de análise fornece informações importantes, não só para investigadores, demonstrando as tendências de publicações, mas também permite aos editores obter dados acerca do tipo e qualidade dos artigos aceites para publicação14 . Presentemente já existem estudos bibliométricos no campo da Urologia, avaliando as tendências de publicações acerca de transplantação renal, comparando diferentes departamentos cirúrgicos ou o género do autor da publicaçõo 15 ; 16 ; 17  ;  18 .

Uma vez que a prevalência de urolítiase tem vindo a aumentar e assistimos também ao aparecimento de múltiplas técnicas minimamente invasivas, seria expectável que o número total de publicações acerca desta patologia estivesse também a aumentar.

O objectivo deste trabalho foi verificar se existia uma tendência evidente de aumento do número de publicações na área da urolitíase na última década em cinco jornais prestigiados na área da Urologia e realizar uma análise bibliométrica dos artigos publicados.

Material e métodos

Foram selecionados os 4 jornais com publicação de artigos originais dedicados à Urologia (excluindo os jornais dedicados também à disciplina de Nefrologia e a áreas específicas da Urologia, como as doenças da próstata) com o maior índice de impacto: o British Journal of Urology International® (BJU Int), European Urology® (Eur Urol), Journal of Urology® (J Urol) e o Urology® (Urology). Foi ainda selecionado o Journal of Endourology® (J Endourol) por se tratar de uma publicação de referência na área do tema do trabalho, de acordo com os objectivos propostos.

Foi realizada uma busca electrónica usando o PubMed® e todos os volumes destes 5 jornais foram consultados nos anos de 2001 a 2010. Todos os artigos acerca de litíase renal e ureteral publicados nestes 5 jornais foram adicionados a uma base de dados, de acordo com o fluxograma na figura 1 . Dois revisores diferentes (IB e FB), analisaram independentemente os resumos dos artigos selecionados e colheram os dados de forma estandardizada para documentar as características do artigo. Nos casos de classificação duvidosa, os revisores consultavam o artigo completo.


Fluxograma de trabalho utilizado na seleção e classificação dos artigos.


Figura 1.

Fluxograma de trabalho utilizado na seleção e classificação dos artigos.

Após consultarem os artigos, estes eram classificados como Prospectivos ou Retrospectivos, Mono ou Multi‐institucionais. Os artigos eram classificados (tipo de artigo) como Investigação Clínica (estudo original com humanos em ambiente clínico), Revisão, Investigação Básica (estudo em modelos laboratoriais ou animais para testes de fármacos ou novas técnicas cirúrgicas) ou Relato de caso. Cada artigo era depois caracterizado de acordo com a temática, como seja Médico (centrado em epidemiologia, diagnóstico ou tratamento médico de doentes com urolitíase), Litotrícia extracorporal por ondas de choque (LEOC – artigos focados no tratamento com litotrícia), Ureteroscopia (URS – artigos centrados no tratamento ureteroscópico da litíase), Nefrolitotomia Percutânea (NLP – artigos sobre o tratamento percutâneo de litíase) ou miscelânea (Misc – todos os artigos sobre tratamento com laparoscopia, cirurgia aberta, robótica ou qualquer outro assunto não classificável em outra temática). Nos casos em que a temática abordava mais que um tópico, por exemplo um artigo comparando URS e PNL seria classificado em ambos os temas. No caso de haver discrepâncias, era efectuada uma segunda revisão ao texto completo do artigo. Os autores dos artigos ou os jornais respectivos não eram ocultados aos revisores.

Após colheita dos dados foi realizada uma análise descritiva dos artigos publicados. O número absoluto, as frequências relativas e absolutas e a proporção de artigos publicados em litíase e do total de artigos. O tipo de artigos, a temática em estudo foi também avaliada de forma descritiva (número, frequências e proporções). O coeficiente de correlação de Pearson foi usada para avaliar a correlação entre o IF e a proporção de publicações em litíase.

Resultados

Os cinco jornais em análise publicaram um total de 30 847 artigos. O J Urol foi o jornal com o maior número de trabalhos publicados por ano, com uma média de 1146 artigos. O J Endourol foi a revista que menos publicou, com uma média de 231 artigos por anos. No que respeita a artigos relacionados com litíase houve um total de 1425 publicações e o J Endourol foi o jornal com o maior número de artigos sobre litíase no período em análise, com um total de 545 trabalhos publicados. (tabela 1 ).

Tabela 1. Informação detalhada por ano e revista
Ano Total Litíase Lit % Estudo (%) Tipo (%) Temática (%)
Prosp Retro Clin Lab Rev Caso Med LEOC URS NLP Misc
British J Urology International 2001 417 16 3,8 84,6 15,4 50 18,8 31,2 43,8 37,5 6,3 12,5
2002 422 23 5,5 64,7 35,3 52,2 26,1 21,7 56,5 8,7 8,7 13 13
2003 576 5 0,9 66,7 33,3 20 40 40 60 20 20
2004 667 17 2,5 35,5 64,7 82,4 17,6 17,6 23,5 29,4 29,4
2005 655 18 2,7 40 60 77,8 16,7 5,6 35 15 10 35 5
2006 594 7 1,2 33,3 66,7 71,4 14,3 14,3 40 10 10 30 10
2007 621 13 2,1 54,5 45,5 69,2 15,4 15,4 20 40 6,7 33,3
2008 659 11 1,7 50 50 72,7 9,1 18,2 18,2 36,4 9,1 27,3 9,1
2009 643 17 2,6 62,5 37,5 70,6 5,9 23,5 27,8 44,4 11,1 11,1 5,6
2010 610 15 2,5 26,7 73,3 66,7 33,3 43,8 25 18,8 6,3 6,3
European Urology 2001 282 14 5 45,5 54,5 78,6 21,4 50 21,4 7,1 7,1 14,3
2002 195 8 4,1 57,1 42,9 50 12,5 25 12,5 37,5 12,5 25 25
2003 226 12 5,3 50 50 75 25 43,8 31,3 18,8 6,3
2004 246 5 2 50 50 60 40 28,6 42,9 28,6
2005 289 9 3,1 22,2 77,8 77,8 11,1 11,1 50 20 30
2006 417 4 1 100 60 40 20 60 20
2007 699 15 2,1 30,8 69,2 66,7 13,3 20 6,7 46,7 13,3 33,3
2008 644 6 0,9 25 75 66,7 33,3 16,7 16,7 66,7
2009 651 4 0,6 50 50 50 50 75 25
2010 460 0
J Endourology 2001 164 36 22 37,1 62,9 66,7 2,8 16,7 13,9 7,9 36,8 31,6 21,1 2,6
2002 129 28 21,7 37 63 75 3,6 10,7 10,7 12,1 33,3 15,2 39,4
2003 159 31 19,5 48,3 51,7 73,3 3,3 20 3,3 25,8 35,5 22,6 6,5 9,7
2004 190 42 22,1 41 59 66,7 7,1 16,7 9,5 18,2 25 22,7 27,3 6,8
2005 235 36 15,3 29,4 70,6 69,4 5,6 19,4 5,6 18,4 26,3 26,3 28,9
2006 226 54 23,9 46,2 53,8 68,5 3,7 20,4 7,4 18,6 28,8 25,4 25,4 1,7
2007 291 67 23 35,9 64,1 79,1 4,5 13,4 3 11 26 24,7 32,9 5,5
2008 427 110 25,8 50 50 65,5 14,5 13,6 6,4 12,3 17,2 21,3 44,3 4,9
2009 344 59 17,2 42,1 57,9 54,2 35,6 8,5 1,7 5 10 5 70 10
2010 339 62 18,3 38,3 61,7 82,3 4,8 11,3 1,6 14,8 19,7 23 42,6
J Urology 2001 1135 45 4 57,8 42,2 62,2 26,7 11,1 39,6 33,3 14,6 8,3 4,2
2002 1334 59 4,4 49,1 50,9 72,9 3,4 22 1,7 40,3 28,4 17,9 4,5 9
2003 1384 46 3,3 45,7 54,3 73,9 21,7 4,3 32,7 30,6 18,4 10,2 8,2
2004 1230 42 3,4 42,9 57,1 69 2,4 21,4 7,1 27,3 22,7 18,2 20,5 11,4
2005 1392 39 2,8 55,3 44,7 74,4 2,6 20,5 2,6 58,5 14,6 12,2 12,2 2,4
2006 976 32 3,3 64,5 35,5 84,4 3,1 12,5 31,4 25,7 11,4 25,7 5,7
2007 931 38 4,1 67,7 32,3 63,2 18,4 18,4 43,5 13 17,4 21,7 4,3
2008 959 39 4,1 50 50 71,8 12,8 12,8 2,6 36,6 14,6 24,4 17,1 7,3
2009 1065 48 4,5 45,7 54,3 81,3 4,2 10,4 4,2 50 13 13 20,4 3,7
2010 1058 42 4 30 70,7 90,5 4,8 4,8 54,3 19,6 8,7 15,2 2,2
Urology 2001 693 15 2,2 38,5 61,5 73,3 13,3 13,3 37,5 12,5 25 6,3 18,8
2002 607 28 4,6 42,9 57,1 71,4 14,3 14,3 34,5 13,8 17,2 27,6 6,9
2003 647 22 3,4 45,5 54,5 59,1 13,6 27,3 29,2 37,5 4,2 25 4,2
2004 626 24 3,8 39,1 60,9 70,8 4,2 8,3 16,7 38,5 7,7 23,1 23,1 7,7
2005 702 25 3,6 36 54 76 12 12 17,4 39,1 21,7 21,7
2006 700 21 3 23,8 76,2 57,1 4,8 38,1 27,3 18,2 13,6 40,9
2007 667 20 3 30 70 85 5 10 13,6 27,3 22,7 36,4
2008 653 27 4,1 40,7 59,3 92,6 3,7 3,7 20,7 24,1 20,7 31 3,4
2009 794 41 5,2 32,4 67,6 70,7 9,8 4,9 14,6 54,1 18,9 13,5 10,8 2,7
2010 844 28 3,3 42,9 57,1 96,4 3,6 53,6 14,3 3,6 28,6

Caso: Relato de caso; Clin: Estudo clínico; Lab: investigação básica; LEOC: Litotrícia extra‐corporal por ondas de choque; Lit %: Rácio de artigos de litíase/artigos totais; Med: epidemiologia; diagnóstico e tratamento de litíase; Misc: miscelânea; NLP: Nefrolitotomia percutânea; Rev: Revisão; URS: Ureteroscopia.

Foi efectuada análise da proporção de artigos sobre urolitíase e artigos totais por ano. O J Endourol foi a publicação com a maior proporção, variando de 15,3 a 25,8%. O jornal Eur Urol foi quem teve o menor número de artigos sobre litíase e a menor proporção, apresentando um número decrescente nos últimos anos, com uma proporção máxima de 5,3% no ano de 2003 e zero artigos sobre litíase publicados no ano de 2010. Todos os outros jornais apresentaram uma proporção estável durante a década analisada (fig. 2 – Proporção Litiase/Total).


Gráfico demonstrando a proporção de publicações sobre urolitíase e total de ...


Figura 2.

Gráfico demonstrando a proporção de publicações sobre urolitíase e total de publicações e sua evolução anual.

O número total de artigos prospectivos decresceu nos últimos anos nos vários jornais analisados. A maioria dos artigos publicados eram estudos clínicos (fig. 3 ) e apenas uma pequena percentagem dos artigos eram multi‐institucionais.


Número total de artigos publicados por ano, nas respectivas categorias.


Figura 3.

Número total de artigos publicados por ano, nas respectivas categorias.

A análise detalhada dos artigos por publicações está descrita na tabela 1 .

A evolução da proporção de publicações de litíase no período de análise e a correlação com os respetivos índices de impacto (IF) das revistas foi analisada – fig. 4 A a 4D – e pode‐se verificar uma correlação negativa entre o IF e as publicações em litíase nos jornais Euro Urol (r = –0,973), BJUI (r = –0,717). Nos restantes jornais, a correlação é fraca, como demonstram os resultados da análise J Endourol (r = 0,078), J Urol (r = –0,346) e Urology (r = 0,114).


Comparação da evolução anual da proporção de artigos de lítiase nos diferentes ...


Figura 4.

Comparação da evolução anual da proporção de artigos de lítiase nos diferentes jornais com o seu respectivo factor de impacto (IF).

Discussão

A investigação científica tem aumentado em todas as áreas da medicina e a Urologia é uma especialidade com um grande número de publicações (18,19). É expectável que o aumento do número de artigos publicados leve ao consequente incremento da qualidade da evidência científica e conduza a um aumento da subespecialização dos jornais20 . Actualmente o ranking dos jornais assume uma importância crescente e é essencial para os investigadores, editores e para as entidades que publicam e patrocinam as publicações21 . A maioria dos investigadores deveria pretender que as suas publicações fossem de acordo com as as reais necessidades e dúvidas dos clínicos.

A urolitíase tem vindo a aumentar e representa na prática de todos os urologistas uma grande temática, por isso seria expectável que fosse uma fonte importante de investigações originais nos jornais com maior importância no panorama das revistas científicas dedicadas à Urologia. No entanto, o nosso trabalho demonstrou que, apesar de não ser o esperado, o número de publicações relacionadas com litíase manteve‐se estável em todos os jornais analisados.

O presente estudo demonstrou ainda que os artigos de urolitíase representaram aproximadamente sempre a mesma proporção no total de publicações nas revistas BJU Int, J Urol, Urology and J Endourol. A proporção observada rondou aproximadamente 5% do total de publicações durante o período analisado, sendo praticamente estável em todas as revistas analisadas. Apenas o J Endourol apresentava uma proporção mais elevada, sendo que neste jornal as publicações sobre urolitíase representavam aproximadamente 2025% do total. Este resultado era esperado, uma vez que este jornal é centrado numa sub‐especialização da Urologia, mais focado em endourologia e LEOC, privilegiando os temas relacionados com lítiase.

O Eur Urol – jornal da Associação Europeia de Urologia – que actuamente apresenta o maior factor de impacto na área de Urologia, apresentou um decréscimo no número de publicações na área da litíase e no ano de 2010 não publicou qualquer artigo relacionado com esta temática. Da amostra selecionada parece existir uma correlação negativa entre o peso dos artigos sobre litíase nas revistas BJUI e Euro Urol e o IF das publicações. Estes resultados poder‐se--ão dever a factores de cariz editorial ou à selecção temporal dos jornais efectuada para o estudo.

O presente estudo apresenta algumas limitações que devem ser consideradas na análise dos resultados. O estudo inclui apenas cinco publicações na área da Urologia e excluiu outros jornais médicos gerais ou de outras especialidades (por exemplo, nefrologia) que poderiam apresentar artigos na área da litíase urinária. A escolha das publicações, efectuada pelos autores, teve em conta alguns factores para minimizar esta limitação, como a escolha de 4 jornais dedicados à Urologia ‘geral’ que são de importância reconhecida por todos os urologistas mundialmente e são ainda os jornais oficiais das maiores associações de urologistas. Foi ainda escolhido um jornal dedicado à endourologia, por representar o paradigma de uma publicação subespecializada nesta temática que poderia servir para comparação. Outra das limitações prende‐se com a categorização dos artigos, que poderia ter incluído a caracterização em estudos controlados aleatorizados e uma avaliação da qualidade do artigo, permitindo assim obter um maior conhecimento sobre as tendências em qualidade e quantidade da investigação científica, mas este não era o principal objectivo do nosso estudo.

Conclusões

A litíase urinária representa actualmente uma patologia urológica muito prevalente e era esperado que representasse um grande número de trabalhos publicados nos jornais dedicados à Urologia. No entanto, o nosso estudo demonstrou que durante a última década, o número de artigos relacionados com urolítiase manteve‐se estável e representa na maioria dos jornais analisados uma pequena percentagem de trabalhos publicados.

Financiamento

Trabalho apresentado no Congresso Europeu da Secção de Litíase da Associação Europeia de Urologia – EULIS 2013. Apoio financeiro para a apresentação por parte da APU.

Responsabilidades éticas

Proteção de pessoas e animais. Os autores declaram que para esta investigação não se realizaram experiências em seres humanos e/ou animais.

Confidencialidade dos dados. Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Direito à privacidade e consentimento escrito. Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Referências

  1. 1 V. Romero, H. Akpinar, D.G. Assimos; Kidney stones: a global picture of prevalence, incidence, and associated risk factors; Rev Urol, 12 (2010), pp. e86–e96
  2. 2 C.D. Scales, A.C. Smith, J.M. Hanley, C.S. Saigal; Urological diseases in America Project; Prevalence of kidney stones in the United States Eur Urol, 62 (2012), pp. 160–165
  3. 3 A. Hesse, E. Brändle, D. Wilbert, et al.; Study on prevalence and incidence of urolithiasis in Germany comparing the years 1979 vs 2000; Euro Urol, 4 (2003), pp. 709–713
  4. 4 Türk C, Knoll T, Petrik A, et al. Members of the European Association of Urology (EAU) Guidelines office. Guidelines on urolithiasis. Em: EAU Guidelines, edition presented at the 27th EAU Annual Congress, Paris 2012. ISBN 978‐90‐79754‐83‐0.
  5. 5 B.R. Matlaga; Contemporary surgical management of upper urinary tract calculi 2007 Guideline for the management of ureteral calculi; J Urol, 181 (2009), pp. 2152–2156
  6. 6 K. Dickersin, S.E. Straus, L.A. Bero; Evidence based medicine: increasing, not dictating, choice; BMJ, 334 (Suppl 1) (2007), p. s10
  7. 7 V.M. Montori, G.H. Guyatt; Progress in evidence‐based medicine; JAMA, 300 (2008), pp. 1814–1816
  8. 8 F.E. Brölmann, M.D. Groenewold, R. Spijker, et al.; Does evidence permeate all surgical areas equally? Publication trends in wound care compared to breast cancer care: A longitudinal trend analysis; World J Surg, 36 (2012), pp. 2021–2027
  9. 9 K. Ahmed, M.S. Khan, A. Vats, et al.; Current status of robotic assisted pelvic surgery and future developments; Int J Surg, 7 (2009), pp. 431–440
  10. 10 G. Breda, S.Y. Nakada, J.J. Rassweiler; Future development and perspectives in laparoscopy; Eur Urol, 40 (2001), pp. 84–91
  11. 11 M. Tsay, Y. Yang; Bibliometric analysis of the literature of randomized controlled trial; J Med Libr Assoc, 93 (2006), pp. 450–456
  12. 12 F. Davidoff, B. Haynes, D. Sackett, et al.; Evidence based medicine; BMJ, 310 (1995), pp. 1085–1086
  13. 13 T. Oiasoo, H. Maisonneuve, Y. Matillon; The impact factor of medical journals, a bibliometric indicator to be handled with care; Presse Med, 31 (2002), pp. 775–781
  14. 14 H.M. Donato, C.F. Oliveira; Patologia mamária: avaliação da actividade cientifica nacional através de indicadores bibliométricos (1995 julho 2005); Acta Med Port, 19 (2006), pp. 225–234
  15. 15 D.A. Weiss, B. Kovshilovskaya, B.N. Breyer; Gender trends of urology manuscript authors in the United States: a 35‐year progression; J Urol, 187 (2012), pp. 253–258
  16. 16 K.K. Bas, L.M. Gunay, H. Besim; Turkeys evaluation in kidney transplantation research; Exp Clin Transplant, 9 (2011), pp. 319–322
  17. 17 M. Rouprêt, S.J. Drouin, M. Faron, et al.; Analysis of the bibliometrics score of surgical department from the academic hospitals of Paris: what is the rank of urology?; Prog Urol, 22 (2012), pp. 182–188
  18. 18 L. Philipson; Medical research activities, funding and creativity in Europe comparison with research in the United States; JAMA, 24 (2005), pp. 1394–1398
  19. 20 T. Hoffmann, C. Erueti, S. Thorning, P. Glasziou; The scatter of research: cross sectional comparison of randomized trials and systematic reviews across specialties; BMJ, 344 (2012), p. e3223
  20. 21 F. Franchignoni, S.M. Lasa; Bibliometric indicators and core journals in physical and rehabilitation medicine; J Rehabil Med, 43 (2011), pp. 471–476

Further reading (with label)

  1. 19 J. Li, X.H. Gao, Q. Bian, et al.; Comparative study of scientific publications in Urology and Neprology Journals originating from USA, China and Japan (2001‐2010); PLoS One, 7 (2012), p. e42200
Back to Top

Document information

Published on 11/04/17

Licence: Other

Document Score

0

Views 12
Recommendations 0

Share this document

claim authorship

Are you one of the authors of this document?